terça-feira, 22 de abril de 2014

Faça parte da mesa de bate-papo!



Olá prezados leitores, amigos seguidores e transeuntes curiosos!

Após um lapso de atividade no início do mês de março, gerado pela aparição anual de Igor Vasconcelos neste espaço, o site voltou ao ritmo de postagens coordenados pela namorada do Manti Te'o*.

* se você não entendeu a piada, clique AQUI

Como a maioria dos leitores sabem, eu, felizmente para meu bolso, voltei a labuta da advocacia e tive que me abster deste espaço e de acompanhar o nosso glorioso Canadiens de perto. E devido à frequência HALLEYana dos outros colunistas, as análises acabaram ficando desprestigiadas.

E nesse momento, que o amante do hóquei quebecois se sente traído, o que fazer?
É fácil.

Participe da primeira e única comunidade do FACEBOOK dedicada ao Canadiens de Montréal.

Basta você entrar no seu facebook (se você não tem, se mata), clicar NESSE LINK e sentar em um lugar na mesa de boteco para tomar uma cerveja e bater papo sobre nosso glorioso time.

Já somos muitos apaixonados, que diariamente debatemos o Club de Hockey.

E aos que gostam dos nossos textos, já providenciei a assinatura do gamecenter, e garanto mais matérias agora que estamos em época de playoffs e o Canadiens já COPOU o time de Tampa Bay e está na segunda rodada eliminatória rumo à Coupe Stanley!

GO HABS GO

quinta-feira, 6 de março de 2014

Troca-troca

Marc Bergevin lê não somente meus posts aqui no blog como, também, meus comentários no grupo do facebook. Foi só eu falar que o time precisava de um artilheiro para ele contratar o habilidoso Thomas Vanek, goleador e capitão do selecionado austríaco. Além de ter sido uma belíssima contratação para os playoffs, já que não dá para contar apenas com Paccioretty balançando as redes pelo time (se quisermos ir além da primeira rodada), ele veio praticamente de grátis.

Isso significa que não perdemos Markov - o que pode ser bom ou ruim. O jogador mais adorado do departamento médico (pois passa mais tempo por lá do que na própria casa) ainda dá caldo, como vimos na partida contra os Patos ex-Disney. O único porém que podemos levantar agora é que o contrato do russo acaba ao fim desta temporada. Acredito que Bergevin tenha arriscado mantê-lo por acreditar em sua capacidade para os playoffs, sonhando com vôos mais altos, tendo em vista que Price está excepcional e o resto do time está correspondendo, mantendo-se na terceira posição do leste.

Além do goleador austríaco, que já tem mais de 20 gols nesta temporada, vieram o goleiro Devan Dubnyk e o defensor Mike Weaver. Se Dubnyk não chega a ser ameaçador das posições de Price e Budaj, é um bom banco para quando um dos dois estiver machucado, o que me agrada bastante, pois nunca se sabe o que pode acontecer e quanto mais profundidade melhor. Weaver traz mais experiência à linha azul, além de profundidade, completando 4 possíveis pares defensivos, após a saída do suíço Diaz.

Com isso, nosso time querido se reforçou nos três setores, adicionando qualidade e eficiência (Vanek), experiência e profundidade (Weaver e Dubnyk). E o melhor: não perdemos nada por isso!

Também chegou Dale Weise, para brincar com Ryan White na 4th line. Não merece maiores comentários.

sábado, 1 de março de 2014

PRICE!!!!

Nossa pequena e singela homenagem ao mito supremo Carey Price, o mais pirocudo dos Habs desde que Koivu saiu! Excelente desempenho nas Olimpas, culminando com shutout na grande final contra os "suécios" (como diria o "comentarista" Rivelino), mostrando toda sua tranquilidade e confiança. Afinal, para quem está acostumado com a defesa esburacada dos Habs toda noite, jogar pela seleção é moleza...





E um grande foda-se para o puto Mike Suckcock por não botar Subban para jogar 30min por noite, o que impediu o melhor defensor da atualidade de ser o maior pontuado dos Jogos de Sochi.

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

De volta ao serviço

Outubro vai chegando ao fim, e com isso o primeiro mês de disco no gelo também. Devido a minha jornada à terra de Igor Veiga, onde as pessoas arranham a pronúncia da letra R e saem as 17h00 do trabalho para ir jogar futevôlei na praia, vamos recapitular os últimos 10 dias do Canadiens.

Depois de perdemos para Nashville e Edmonton, fechamos a série de jogos em casa contra times da conferência Oeste contra os californianos Anaheim Ducks e San Jose Sharks. No duelo contra o primeiro, vencemos com tranquilidade no jogo que marcou mais um retorno do Capitão do Século XXI, a lenda Saku Koivu, enquanto no embate seguinte não fomos páreos para uma ótima atuação do goleiro Niemi. Vale lembrar que o Sharks hoje é o melhor time da NHL, liderando disparado a Conferência Oeste. O Ducks está em terceiro, então também foi uma vitória interessante. Só não dá para perder pro lanterna Oilers.

Para não cansar a torcida, Montréal aproveitou para viajar até Nova Iorque e participar da festa de inauguração do novo Madison Square Garden, todo moderno e remodelado, em partida que marcaria o primeiro jogo do Rangers em frente sua torcida esse ano. Muita festa, torcida lotando o ginásio, só que esqueceram de combinar com o mito Budaj, que substituindo Price, teve atuação soberba e anotou pelo segundo ano seguido um shutout contra o Rangers no MSG. Aliás, os Rangers estão virando um belo freguês nosso, que não sabe o que é vencer o Canadiens desde 2011. O jogo marcou a estréia do defensor Douglas Murray na temporada.

Não vou falar muito mais dessas partidas. "Por quê?" pergunta você caro leitor. Porque o pessoal do NHL Brasil já escreveu três matérias resumindo os jogos, que eu indico aqui para vocês:


Ontem, em retorno ao Centre Bell, batemos o fraco Dallas Stars por 2 a 1, em ótima partida de Carey Price e do jovem Bournival. O defensor Douglas Murray jogou bem mais uma vez. Não vou falar mais sobre esse jogo também pois: 1) eu não vi. 2) o "editor chefe" deste site disse que faria um resumo do jogo, vou ver se ele vai cumprir a promessa!



Estamos em 4º na Conferência Leste, misturado no bolo de cima, apenas 2 pontos do líder. Cinco dos seis primeiros times são da nossa Divisão (bem distribuído NHL, parabéns!).

Agora fazemos as malas novamente e viajamos para o Meio-Oeste, onde no fim de semana enfrentamos Wild e Avalanche, de Patrick Roy.

O principal tema a ser falado nesse começo de temporada era o maior temor que nós possuíamos: As lesões. Uma saraivada de jogadores já estão encostados no Departamento Médico e estamos tendo que apelar para jovens sem experiência das ligas menores. Por enquanto vai dando certo, mas e daqui uns meses? Isso é tema para a próxima matéria do Canadiens Brasil. Até lá!


segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Prust se machuca, Hamrlik se aposenta & Dicas #01

Apesar de ter escrito no último texto que retornaria no dia seguinte, como puderam observar, nada escrevi. Nesses últimos dias tivemos algumas novidades, dois jogos, além das dicas que estou devendo desde semana passada. Isto posto, vamos começar do inicio (ah vá!).
____________________

Tivemos dois jogos semana passada da série de cinco que iremos fazer em casa. Por hora me limito a dizer que ganhamos bem no Jaquetas Azuis por 5 a 3 e perdemos apertado para os Predadores do Tennessee por 2 a 1. Falarei mais sobre esses jogos ao final da sequência caseira nesse fim de semana, num pacotão de análise.

Aliás, essa é a ideia para a temporada. Falar nem que seja um pouco dos 82 jogos da fase de classificação, dividindo sempre por blocos para não ficar cansativo nem para quem lê, nem para quem escreve (eu).

Qualquer critica ou sugestão para esse tipo de análise, por favor façam.
____________________

No jogo do fim de semana contra os Predadores, nosso bravo atacante Brandon Prust se machucou. Lesão no ombro direito que vai deixá-lo fora por algumas semanas. Obviamente é uma lesão que não gera muitas lamentações em primeiro momento, visto que Prust é fraco tecnicamente e passa vergonha quando tenta brigar, mas ao pararmos pra pensar dá calafrios. Mas por que razão?

Porque não temos elenco! O Prust, por mais pereba que seja, já fez dois golzinhos e não estava atrapalhando muito. Com sua saída, teremos que colocar gente da extirpa de Ryan White no gelo, que é um pereba², ou jogar jovens jogadores na fogueira, no melhor esquema "se vira aí!".

Aliás, o plano de apostas parece ser o do nosso Gerente Geral. Bergevin já estava no último jogo do Hamilton Bulldogs, time das ligas menores filiado ao Canadiens, para observar possíveis reforços/apostas. A informação é da Gazzete de Montréal.

E com isso, nós torcedores que conhecemos bem a sina de perder jogadores machucados, já ficamos alertas em qualquer dividida que envolva algum dos pilares do time. Banho de sal grosso neles!
____________________

O defensor tcheco Roman Hamrlik se aposentou na data de hoje após 20 temporadas na LNH, sendo quatro delas em Montréal (07-11) e uma medalha de ouro nos jogos olímpicos de 1998.

Para quem já acompanha o Canadiens faz uns 2 ou 3 anos vai se lembrar bem dele. Ainda mais eu, que peguei todo seu período no Quebec. Um defensor com porte médio-grande, boa técnica de desarme e que cometia poucas faltas. Além disso subia bem para o ataque de power play, sempre rendendo assistências.

Seu principal momento usando a camisa 44 dos Habs foi com todo time na campanha de 2009-10, em que chegamos, como zebras de 8º lugar, nas finais da Conferência Leste. Obrigado por tudo Roman!

____________________

DICAS #01

Vamos com algumas dicas para quem começou a acompanhar os Canadiens faz pouco tempo. Sempre que puder vou postar alguma coisa que ajude os fãs brasileiros dos Habs:

- Gols e Melhores Momentos de jogos: Vocês já repararam que eu nunca posto vídeos de lances gerais aqui no site certo? O motivo é que o jeito mais prático e fácil de ver é no site da NHL ou na página oficial do Canadiens. Algumas horas depois do jogo já tem um belo resumo lá do que aconteceu:


- Outra dica boa é para conseguir informações sobre o time diretamente da imprensa esportiva quebecois. Para isso eu recomendo o site da Montréal Gazzete, o maior jornal de circulação em inglês da cidade. Uma opção variada em inglês é o site da TSN, versão canadense da ESPN.


Por enquanto é só, vamos começar com o básico. Na próxima trago fontes de boatos, referência de salary cap e onde comprar sua camisa dos Canadiens.

GO HABS GO!

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Jornada no Oeste - Parte 2


Como é bom ter camisa e tradição. Após uma semana passeando por cidades canadenses, Montréal mostra quem manda no hóquei do país fundador do esporte, atropelando os caçulas da costa oeste.

Primeiro foi a vez de irmos até a Columbia Britânica, na chuvosa cidade de Vancouver. Jogando sem o capitão Gionta, mas com Price de volta ao gol, o Canadiens finalmente conseguiu sair na frente do placar, com Max Pacc de Power Play aos 5 minutos.

O time da casa, no qual joga Chris Higgins, ídolo de Igor Vasconcelos e primeira escolha nossa no draft uns 10 anos atrás, só conseguiu chegar ao empate no segundo tempo com um dos gêmeos Sedin (nunca sei quem é quem), aos 13 minutos. E quando o jogo parecia se complicar para a gente, a defesa do Canucks nos fez um favor, e numa PATACOADA, o defensor lateralmente ao gol recuou para Luongo, que não percebeu. O puck bateu nas costas do ex-melhor-goleiro-canadense e morreu no fundo da rede. Veja AQUI (momento que me lembrou de Ryan O'Byrne em 2008). 

Com a liderança na mão Montréal voltou a se acalmar, segurou a pressão com ótima atuação de Carey Price e ainda de quebra conseguiu ampliar duas vezes, com Plekanec em vantagem numérica e Josh Gorges mais para o final do jogo, que terminou no segundo 4-1 seguido para nós. Malas prontas, voltamos para o gelo, sede dos jogos panamericanos de 1999.

Para esse duelo, mudanças nas linhas. Gionta de volta de lesão, na linha 1 com Eller no meio e Max Pacc na ponta, enquanto a dupla dinâmica Galla-Galcha ficam com Plekanec de pivô. Outra mudança, o recém-chegado Danny Briere, que não vinha rendendo, foi rebaixado para a 4ª linha pra ver se fica esperto.

E não é que ele ficou? Logo no começo do jogo soltou uma bomba de longe que gerou um rebate e, em sequência, o gol de abertura de placar pelo pereba Brandon Prust (Pasmem, o segundo dele esse ano já!). Ainda no primeiro período, P.K. Subban confirmou a boa fase mandando um foguete da blue line pro fundo da rede do Ex-Atlanta. Com a vantagem construída Montréal se fechou atrás e começou o show de Jesus Price. Em uma atuação perfeita, ele segurou todos os chutes dos Jatos e viu no último minuto de jogo Briere fazer seu primeiro gol com a camisa tricolor.


Problema: Max Paccioretty se machucou em um lance ainda no primeiro tempo. Parece que foi uma contusão no no tornozelo ou joelho, algo na perna esquerda, visto que ele nem conseguiu colocar a perna no chão para sair do gelo. Canadiens informou que uma lesão genérica "lower-body-injury". Espero que não seja ligamento ou rompimento de tendão. Assim que souber mais eu aviso. Durante o jogo Briere assumiu o lugar de Paccio em sua linha. 

Vamos aos destaques ao final da jornada pelo novo oeste canadense:

POSITIVOS
- P.K. Subban continua voando, marcando pontos e jogadores, melhor defensor da NHL hoje, na prática e em números com 8 pontos. Dá pra renovar com ele por uns 6 anos por favor?
- Carey Price defendeu 75 de 76 chutes nos últimos dois jogos e vai se firmando como provável titular da seleção canadense na Olimpíadas de Sochi.
- Ataque tem 19 gols em 6 jogos. Boa média!

NEGATIVOS
- Mais um machucado, que se junta aos defensores Emelin e Murray, e ao bigode Parros. Lesões costumam minar campanhas do Canadiens, principalmente nos últimos anos. 
- Chove muito em São Paulo.
- Sim, não tem muita coisa negativa para destacar. Ainda bem.

Depois dessa jornada fora de casa, voltamos ao Quebec onde teremos cinco jogos seguidos como mandantes, começando com Columbus (quinta) e depois Nashville (sábado)., jogos em que temos que somar pontos.

Amanhã volto com algumas dicas para quem acompanha o Canadiens, até lá!

GO HABS GO!

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Jornada no Oeste - Parte 1


Depois de dois jogos em casa para começar a temporada, fizemos as malas e embarcamos rumo ao oeste canadense para enfrentar todos nossos compatriotas da outra conferência.

Na quarta-feira tivemos o primeiro compromisso, em Calgary, onde não vencemos desde 2002! E mais uma vez não tivemos vida fácil. Após um começo meio molenga, passamos a pressionar o Flames com diversos chutes ao gol e marcação pesada na zona neutra, mas mais uma vez sofremos com uma defesa desorganizada. Em dois contra-ataques no primeiro período o time da casa mandou o puck pro gol, em jogadas que Carey Price pouco pode fazer.

No segundo período o mesmo filme se repetiu na primeira metade do tempo e o Calgary viu sua vantagem aumentar para 3-0. Só não saímos do jogo completamente pois PK Subban estava em grande noite ofensiva, e deixou o seu antes do fim dos 20 minutos.

Entrando no último período com ois gols de desvantagem, Montréal voltou com tudo mas só consegui reduzir a diferença faltando 10 minutos para o fim da partida, com Lars Eller. A partir daí foi um replay do primeiro jogo da temporada contra o Leafs. Pressão total mas não conseguimos empatar. Pra completar, Subban errou fazendo uma falta boba nos 2 minutos finais e acabando com nossas chances de empate.


Um dia e 300km depois, mais para o norte de Alberta, estávamos em Edmonton para pegar as viúvas de Wayne Gretzky (que jogou menos que Richard, Lafleur e Belveau!). Montréal veio ao gelo com algumas mudanças. Primeiro no gol, onde Carey Price ficou no banco para descansar e Budaj veio pro jogo. Na parte estratégica, as linhas defensivas foram reorganizadas, com PK Subban jogando com Markov, e Gorges ficando com Diaz. O primeiro período foi jogado em alta velocidade, com boas chances de gols para os dois times, mas que com boas atuações dos goleiros, ninguém saiu do zero.

No segundo período o mesmo ritmo continuou até que, pela 3ª vez em 4 jogos, saímos atrás no placar num gol de Power Play dos adversários. Mas na mesma moeda, no meio do período, Gallagher empatou a peleja. O time quebecois se animou e 2 minutos depois BRANDON PRUST (isso mesmo, vocês não leram errado!) nos colocou na frente aproveitando um rebote. Fechamos a segunda parte na frente do marcador.

O Oilers tentou nos pressionar no último período mas Budaj estava em noite inspirada. Em um contra-ataque da dupla dinâmica Gallagher-Galchenyuk, aos 12 do último período, o segundo definiu com precisão categórica deixando em 3 a 1. Daí pro final foi aquele drama de ataque contra defesa, mas após poucas chances reais foram produzidas pelo time da casa. Nos segundos finais, Max Pacc deixou o seu gol em rede vazia. 4 a 1, ótima vitória!

Resumidos os dois jogos, vamos aos destaques:

POSITIVOS
- Galchenyuk anotou pontos nos 4 jogos até agora, e lidera o time com 7 (6 assistências).
- Eller (6) e Gallagher (5) continuam marcando seus pontos também e voando no gelo.
- Outro jovem que vem brilhando é PK Subban, que lidera a NHL entre os defensores com 6 pontos em 4 jogos.
- Budaj mostrou que continua um substituto confiável para que Price descanse sempre que possível.

NEGATIVOS
- Desharnais ainda zerado na temporada, apesar de não estar indo mal nos faceoffs.
- Ryan White estar entrando no gelo (já está com -2...).
- Defesa frágil

O começo de temporada, apesar de 2-2, está me animando. Minha maior preocupação, o desempenho dos jovens jogadores, está sendo desfeita com a turma sub25 liderando o time. Minha maior preocupação reside na defesa, ainda muito frágil. Sem Emelin até o fim do ano, temos apenas 3 defensores confiáveis no gelo. Bouillon não anima mais ninguém, Diaz é mais irregular que o nível do mar em noite de lua cheia, e Tinordi, apesar de ser promissor e gigante fisicamente, ainda é muito cru. Em algumas semanas teremos o tal do Murray de volta de lesão para "reforçar" a defesa (veremos...). Pelo menos a decisão de juntar PK Subban e Markov se mostrou eficiente.

E também não pode passar em branco a torcida tricolor, que lotou ambos ginásios adversários essa semana, facilmente tendo pelo menos um terço da torcida de habitants! Nossa torcida é foda, o resto é moda! 

Sábado tem mais! Vamos até a costa enfrentar o Canucks, e depois voltamos até o gelo para pegar os Jets!

GO HABS GO!

terça-feira, 8 de outubro de 2013

Semana 1 e Habs na ESPN

Chegamos ao fim da primeira semana desde o início da temporada 2013/14 da NHL, na qual tivemos apenas dois jogos para acompanhar nosso Canadiens. Ambas partidas foram jogadas junto à nossa torcida que lotou o Centre Bell, como faz desde sua inauguração.

No dia do faceoff-inicial (parente do "pontapé inicial"), nosso adversário foram nossos rivais de azul do outro lado da fronteira estatal. Foi uma partida muito tensa desde o início, com ambos os times procurando mostrar serviço.

Toronto saiu na frente mas levou a virada antes da metade da peleja, se aproveitando de vantagem numérica e uma saída de jogo errada dos Leafs. O Canadiens não soube administrar a vantagem, e devolveu o favor cometendo faltas e erros individuais, que deram a oportunidade para o time de Ontario voltar para o jogo, re-virar a partida e abrir 4-2 no marcador.


Os minutos finais foram de intensa pressão, que resultou em um gol tricolor mas parou por aí. Placar final 4-3 para os visitantes. O jogo teve muito contato físico, faltas e erros bobos de ambos os lados. Quem soube melhor aproveitar a falta de ritmo do adversário levou os 2 pontos pra casa.


O clássico teve quatro brigas, uma com Moen, uma com Tinordi e duas entre nosso novo bully, George Parros, e o famigerado Calton Orr dos Leafs, antigo saco de pancadas de Georges Laraque. Ganhamos TODOS os duelos. Mas eis que no último deles, quando Parros derrubou Orr pela segunda vez na mão, o jogador do Leafs se pendurou na gola do jogador tricolor, puxando o tronco de Parros de modo que sua face encheu o gelo com tudo, sem proteção. Uma concussão séria, ato maldoso de Orr que deveria ter caído como homem.


Quatro dias depois estávamos de volta ao Centre Bell lotado para pegar o odiado (pelo menos por mim) Flyers, que contava com sua "nova" "estrela" Vinny Traíra* Lecavalier, que foi justamente vaiado em peso sempre que encostava no puck.


* - Esse maldito sempre disse querer jogar no Habs, inúmeras negociações de pré-temporada sempre se alongaram envolvendo o nome dele em Montréal por muitos anos, mas na real se provou um mercenário que nunca fez força pra vir pra cá. Tomara que rompa o ligamento cruzado anterior, sem maldade.


Montréal entrou ofensivo no jogo em abriu o placar logo no primeiro período e dessa vez conseguiu manter a vantagem de um gol até o fim deste e pelo período seguinte. No primeiro minuto da parte final, o Habs ampliou com dois gols rápidos o placar em 3 a 0, levou um gol de 5-3 e fechou o jogo em 4 a 1 com um tento nos minutos finais. Uma vitória sólida, sem sustos, do jeito que tem que ser na temporada. E pra não deixar passar, Travis Moen saiu na mão de novo, e ganhou.


OBS: Os Flyers perderam os seus três primeiros jogos e brasileiramente já demitiram o técnico.


Os destaques da primeira semana, que terminamos com 1-1-0 na tabela:


POSITIVO
- Eller 5 pontos, Galchenyuk 4 assistências, Gallagher 3 pontos
- 4 gols em vantagem numérica
- Média de 3,5 gols


NEGATIVO
- Briere 0 pontos (eu sei que é cedo pra cobrar!)
- Defesa bem mal no primeiro jogo
- Brandon Prust não foi mal e com isso continuará tendo chances.


Agora temos a excursão pelo oeste canadense, que começa em Calgary nesta QUARTA-FEIRA, 21h00 com transmissão em HD para todo Brasil na ESPN+ (disponível apenas em HD, Canal 569 na NET).

terça-feira, 1 de outubro de 2013

Face Off - Temporada 2013/14


E a espera acabou!
Na última matéria que escrevi, mais de um mês atrás, terminei dizendo que assim que tivéssemos novidades sobre nosso amado tricolor quebecois, eu voltaria a escrever. Pois bem, não escrevi nada pois não tivemos nenhuma novidade digna de nota.

Finalmente o dia 1º de outubro chegou e o puck está de volta ao gelo para jogos oficiais da LNH, então vamos ao que você precisa saber para começar a temporada atualizado sobre nossa amada equipe:

DIVISÃO
Este ano a LNH resolveu tentar arrumar a organização confusa de suas divisões e acabou bagunçando ainda mais. Agora os 30 times da liga ficaram divididos em 4 divisões, 2 pra cada lado da América do Norte. O problema é que de cara ela já confunde deixando a Conferência Leste com 16 times e a Oeste com 14 equipes. Para uma explicação mais precisa eu recomendo essa ótima MATÉRIA do Extratime.


Nossa divisão, batizada de Atlântica, mantém todos nossos rivais antigos de divisão, e recebeu como adição as duas equipes da Flórida e o nosso antigo rival Detroit Redwings. Oito times continuam se classificando, 3 primeiros por divisão, mais os 2 outro melhores da Conferência. 

Costumamos ter um retrospecto muito bom contra os times da Flórida, então isso deve garantir uns pontos na tabela. O Redwings sempre será um adversário difícil, mas por ser um clássico será sempre imprevisível. Eu, como desprezo o Redwings, estou ansioso por voltar a enfrentá-los frequentemente.

ELENCO
Quase nada mudou desde a última matéria sobre o plantel que fiz aqui para o site. Apenas duas novas adições de pouca expressão foram feitas. Para a defesa o veterano defensor Douglas Murray (eu sei o que você está pensando, eu também nunca vi jogar) chegou para "reforçar" a blue line (porém já se machucou e ficará de fora de 4 a 6 semanas). No ataque, o jovem Michael Bournival, de 21 anos, subiu do Bulldogs para fazer parte do elenco. Então ficamos assim:


Ataque (Úteis): Briere (foto), Pleakanec, Bourque, Gionta(C), Paccioretty, Gallagher, Galchenyuk, Eller, Moen, Desharnais. 

Ataque: (Resto): Prust (que ganha absurdos 2,5 milhões/ano), White (não conseguiram se livrar), Parros e Bournival.

Defesa: Markov, Subban, Gorges, Emelin, Bouillon, Murray, Tinordi, Beaulieu e Diaz.

Goleiros: Price e Budaj

Análise: O ataque está interessante, muitos nomes jovens crescendo e se tornando bons jogadores. Briere já mostrou na pré-temporada que vai jogar do jeito que eu sugeri quando analisei sua chegada, distribuindo assistências para os mais novos. Temos que esperar uma maior dificuldade de Gallagher e seus amigos pré-23 anos, pois agora os adversários já sabem que os moleques jogam bem. Entretanto, ainda falta pelo menos um pivô nesse time. Eu diria que faltam dois. Vamos apanhar bastante no slot.

A defesa tem duas linhas sólidas com Markov, Gorges, Emelin e Subban, duas promessas interessantes Tinordi e Beaulieu, e três refugos que espero que joguem pouco. Meu maior medo é o histórico de lesões do Top4. Tirando o PK Subban, os outros três se revezam no Departamento Médico, e jogar um dos garotos novos na fogueira, ou recorrer aos refugos, é preocupante.

PREVISÃO
No começo da confusa temporada passada, imaginávamos se daria para conseguir uma vaguinha na pós temporada e acabamos campeões da divisão. Acho que esse ano a situação não é tão favorável para uma surpresa desse tamanho, por uma série de motivos.

Primeiro que a temporada voltará aos 82 jogos em vez de 50, o que vai pesar para um elenco que sempre tem desfalques por contusão, e que jogadores jovens sentirão a pressão por regularidade. Junte isso ao fato de nossa divisão estar mais complicada, com o Bruins vindo de mais uma final de Stanley Cup, e ao tradicional rival Redwings chegando para pesar na briga. O Senators de Bobby Ryan são uma promessa interessante e os Leafs a incógnita de sempre, mas que vem de uma classificação aos playoffs depois de 400 anos. Por outro lado, Sabres e os times da Flórida devem sofrer para ficar no saldo positivo de gols.

Não acredito que seremos novamente campeões da divisão, mas uma vaga entre os 3 primeiros é totalmente possível e esperada.

A temporada começa HOJE quando recebemos no Centre Bell os nossos rivais de azul que moram em Toronto. Depois disso, folga até sábado quando recebemos o sempre complicado Flyers, e depois disso uma excursão pelo Canadá, onde enfrentamos os quatro times da costa Oeste fora de casa em menos de uma semana. Não é um início de temporada fácil, mas um começo positivo é fundamental para animar e embalar esse jovem elenco.

Nós acreditamos!

GO HABS GO

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Luto na redação!

É com grande pesar que anunciamos o casamento do mito Carey Price, deixando devastados nossos colegas Bruno "Sandy" Sader e Igor "Veiguete" Veiga, duas pessoas que nutrem um grande "apreço" pelo goleiro-galã.

Ficamos sabendo da notícia pelo nosso amigo Penalty Killer Subban, atual detentor do troféu Chuck Norris de defensor mais fodão do mundo, que publicou uma foto em seu tuíter, cheia de alegria:




O que representa alegria para uns, como Price, sua digníssima e os convivas que puderam encher a pança gratuitamente, traz bastante tristeza e pesar para aqueles que tinham uma remota esperança de laçar o coração de Jesus Price. Mas não fiquem tristes, Veiga e Sader: acho que Bigode Parros pode lhes dar a atenção desejada!

sexta-feira, 5 de julho de 2013

Offseason: O Retorno de Georges


Calma leitor! Eu sei que você está eufórico pensando na possibilidade do mito Georges Laraque estar de volta ao Centre Bell, mas não é o caso. Mas é quase isso!

O Canadiens de Montréal tem novamente um jogador de hóquei da espécime George. Vamos ao dicionário entender o significado:

George: Esportista praticante do desporto hóquei no gelo extremamente capacitado para confrontos físicos com os punhos sob patins em um ringue de gelo. Incapaz de patinar e respirar ao mesmo tempo.

Na tarde desta sexta-feira (5) foi anunciado que o jogador George James Parros, mais conhecido como "Bigode", é o novo reforço do tricolor quebecois. O atleta de 33 anos vem com um ano de contrato, ganhando 950 mil dólares pela temporada. Um salário aceitável pois Montréal precisa de um lutador no elenco para proteger o baixo plantél em jogos contra equipes violentas da estirpe de Boston e Philadelphia. Mesmo assim será o maior salário da carreira de Parros, que nunca ganhou mais de 1 milhão de dólares anuais.

Ele também nunca fez mais de 10 pontos em uma temporada na NHL. Mas não é isso que devemos analisar aqui, afinal, essa não é sua função no jogo.

Depois de se formar na prestigiada faculdade de Princeton (quem diria...), a 222ª escolha do Draft de 1999 (não é piada) veio para a NHL apenas em 2005, depois de passar algumas temporadas em ligas menores tendo aulas de hóquei patinação tática BOXE! (isto também não é piada).

Após um ano, ele se mudou duas vezes até parar no Anaheim Ducks, onde ele atuou por 6 temporadas seguidas e foi campeão da NHL em 2007, jogando na linha 4 dos patos. Ano passado trocou as praias da Califórnia pelas da Flórida, e agora sobe o morro para o frio canadense.

Em 452 jogos pela NHL foram 167 brigas e fenomenais 1007 minutos de penalidades! É mais de 1 dia inteiro sentado no penalty box. Na última temporada jogou 39 dos 48 jogos do Panthers, ou seja, está em forma.

Vamos ao cartel do lutador peso pesado de 1,96 metro e 104 kilos:

George Parros: 46-51-63 (vitórias-derrotas-empates) em 167 lutas. Tais números foram piorados pela última temporada, na qual teve um fraco 1-3-4. Seu melhor desempenho foi em 2011 com um ótimo 11-5-14.

Isto posto, bem vindo Parros, que use a camisa 17 do mito Laraque e honre o manto habitant.

E para quem está na dúvida, Laraque e Parros nunca se enfrentaram, até porque Parros sempre jogou na costa oeste e e Laraque quase todo tempo no lado leste, sendo assim, ambos se encontravam apenas uma vez por ano. Se tivessem se enfrentado, Parros já teria se aposentado.


__________________________________________________

Enquanto isso na NHL: Os dois centers que eu sugeri aqui, Ribeiro e Weiss, já assinaram com outras equipes. O primeiro foi para o Coyotes por 4 anos e o segundo assinou com os malditos e sempre habilidosos na offseason, Detroit Redwings.

Recadinho para o senhor Bergevin: Precisamos de centers!

quinta-feira, 4 de julho de 2013

Offseason: Mercado do puck começa promissor


É julho. Isso quer dizer o quê? Férias escolares? Frio no Brasil? Acabou a chatíssima Copa das Confederações? Sim, tudo isso. Mas quer dizer também que o mercado de transferências foi aberto na NHL e na NBA. E advinha sobre quem vamos falar?

O Montreal Canadiens começou bem dando buyout no supervalorizado defensor Thomas Karbele, entregando a grana de seu contrato e mandando-o para a casa do capeta.

Em seguida vieram notícias das negociações do Habs (e de toda a NHL menos dos times da Florida) com o center Vinny Lecavalier, nascido no Quebec e torcedor declarado do Canadiens. Nós sabemos que toda offseason surge esse boato, porém, entretanto, contudo, mesmo assim eu tinha esperanças, afinal, ele era um agente livre agora. Falsas esperanças no fim das contas. O cidadão nos frustou novamente, assinando com o maldito Flyers.

Curiosamente, na data de hoje (4) foi anunciado que exatamente de Filadélfia vinha o nosso primeiro reforço. Daniel Brière, ala de 35 anos. De personalidade forte, o camisa 48 vem com um contrato de 8 milhões de dólares por 2 anos. Achei uma ÓTIMA jogada da gerência canadien. Danny é nascido no Quebec, identificado com Montréal, veterano da NHL e vai poder ajudar a guiar e orientar nossa horda de jovens jogadores promissores.

Brière (foto acima) está fisicamente saudável, e mesmo com seu tamanho pequeno para a liga, de 1,76m de altura, sempre foi um jogador de muita garra no gelo. Ele vem de uma temporada razoável e vai ser um jogador chave para momentos decisivos do campeonato. Apesar de não ter uma grande regularidade durante o ano todo, Danny B é notoriamente conhecido por crescer na hora do pau, ou seja, nos playoffs. É o jogador que pode por o puck debaixo do taco nos momentos tensos ou marcar aquele gol decisivo na única chance do jogo.

Mas a posição de ala não era nosso maior problema. Continuamos precisando de um center. Temos duas opções boas livres no mercado: 

- Mike Ribeiro, 33 anos, ex-Habs, Dallas e Caps, que está atrás de um contrato de 5 anos.
- Stephen Weiss, 30 anos, ex-Panthers,  jogador escondido no Sul mas de ótima qualidade técnica, veio de uma temporada com lesões, mas seria de um custo mais acessível.

Temos uma renovação interessante pendente no elenco, do defensor suiço Yannick Webber. Ele é agente livre irrestrito e eu acho que vale a pena conversar para tentar mantê-lo, DESDE QUE os valores não passem de por volta de 3 milhões por ano.

No mais, outros jogadores estão sem contrato e não devem ter seus vínculos renovados com o Canadiens, entre eles:
- C. Armstrong - Péssimo, já vai tarde.
- M. Ryder - Só manteria se renovar por 1 ano e por pouco dinheiro.
- J. Halpern - Sem condições, velho.
- R. White - PeloamordeCHESSUS mandem esse cara logo embora.

Vejam o quadro abaixo para a compreensão melhor dos contratos em vigor em Montréal. Em breve traremos mais novidades, assim que as mesmas surgirem:



quinta-feira, 9 de maio de 2013

Jogo 5: Decepcionados mas esperançosos


Não foi dessa vez que veio o cobiçado 25º título.

Em mais um jogo frustrante, Montréal pressionou, teve chances, colocou o puck na trave mais de uma vez, e no fim das contas foram as três ou quatro chances de Ottawa que entraram no gol de um Budaj totalmente fora de ritmo. No final, com o Habs entregue, o Senators aproveitou vantagens numéricas e encerrou a série com um injusto 6 a 1 no jogo, e 4 a 1 no placar geral. Nosso único gol de hoje foi um baita golaço de PK Subban, que se mostra cada vez mais um craque.

A cena que retrata a partida veio no segundo período. Jogo em 2 a 1 para o Senators, pressão absurda habitant. Power Play para nós, o limitado Colby Armstrong arranca sozinho cara-a-cara contra o goleiro adversário, acerta a trave, o puck volta nas costas do goleiro, rebate e não entra. No contra-ataque, com um a menos, o jogador de Ottawa chuta o puck, que desvia em um jogador caído do time deles do lado do gol e morre no fundo da nossa rede. Não era a nossa noite. 

Como previsto, hoje foi a consumação trágica de uma série que acabou no gol de empate do Senators nos últimos 23 segundos do Jogo 4.

Fica a decepção. O sentimento de que o campeão da divisão poderia ter ido mais longe. Poderia ter passado do Senators pelo menos. Mas as contusões atrapalharam nosso limitado elenco. E faltou experiência, e qualidade em alguns momentos.

Mas apesar da decepção, fica uma esperança no horizonte. Saímos do 15º lugar na Leste (e 25º na NHL) para um 2º lugar na temporada regular, com técnico novo, gerente novo, dois rookies, cinco novos jogadores, etc, etc, etc...

Faremos um review completo do time nessa temporada em breve, então não me estenderei aqui. Até porque estou bem frustrado.

Fica o sentimento de tristeza. Mas diferente do ano passado, quando acabamos a temporada com tristeza  e vergonha no fundo do poço, agora a tristeza é acompanhada de uma esperança. Uma nova esperança para o ano que vem.

Drops Habitant: Jogo 5 na ESPN+, Price fora, Max volta


Tragédia pouca é bobagem.
Foi confirmado hoje de manhã que Carey Price está fora do Jogo 5, e o reserva Petr Budaj (imagem acima) será o titular. Budaj alternou jogos tenebrosos com atuações magníficas (como contra o Rangers no MSG). Impossível saber qual goleiro teremos hoje no gelo. Rezemos para que seja o novo Wallroslav Halak!

========================

Além de Carey Price, hoje não teremos Prust e White, que jogaram no sacrifício terça passada. Eu não considero esses dois desfalques.

Falando em desfalques reais, Lars Eller continua de fora com concussão e lesões faciais, e terá a companhia do Capitão Gionta. O americano, que jogou o último confronto no sacrifício, confirmou sua lesão no tendão do bíceps e afirmou que não volta mais nessa temporada.

========================

Em compensação, temos dois "reforços".

Max Paccioretty volta pro jogo, provavelmente no sacrifício. Outro que deve ser escalado é o atacante Blunden, banco-do-banco-do-banco (oitava opção se é que você não entendeu!), de 26 anos, que nunca emplacou na carreira e fica encostado no Bulldogs. Isso mostra como estamos bem de opções.

========================

O jogo 5 hoje será transmitido ao vivo pela ESPN+, às 20h00.
Lembrando que esse é o canal disponível para quem tem aparelho digital e que suporte alta definição. Na NET é o canal 560.

Quem não tem essa opção, pode assistir pela internet de graça nesse link: First Row 1 - NHL

Que o fantasma do Fórum baixe no Centre Bell e que o ambiente de loucura pese ao nosso favor, VAMOS SOBREVIVER! GO HABS GO!


Jogo 4: Em nova pane no 3º período, Montréal se complica.


Foi tudo perfeito. O que tinha de acontecer, aconteceu. Montréal venceu o jogo 4 em Senators, empatou a série quartas-de-final da Conferência Leste, retomou a vantagem no mando de jogo e agora volta para Canadiens com moral para virar a série.

O parágrafo acima retrataria perfeitamente o cenário dessa série entre Canadiens e Senators, se o time quebecois tivesse segurado a vantagem no placar por mais 30 segundos no jogo 4. Infelizmente não foi o que ocorreu.

Em mais uma partida polêmica e tensa na capital canadense, o inexperiente time habitant não conseguiu suportar mais uma vez a pressão do time da casa no último período, e agora se encontra em situação delicadíssima na série de playoffs.

Depois de ter aberto 2 a 0 nos dois primeiros períodos, com PK Subban e Alex Glachenyuk, e jogando um hóquei equilibrado defensivamente, o cenário era animador para a torcida tricolor.

Mas veio, mais uma vez, o fatídico terceiro período. Terceiro período que teve saldo positivo na temporada de quase +20 para o time de Montréal. Infelizmente esse quadro não se mantém nos playoffs, no qual nós sofremos 9 gols e não fizemos NENHUM. Ou seja, pra quem ainda não entendeu, é um glorioso 0-9 (-9) nos quatro terceiros períodos jogados contra o Senators.

A equipe de Ottawa pressionou o tempo inteiro um nervoso time quebecois na última etapa, empurrado pela torcida, e minando a confiança dos nossos jogadores com ajuda de uma atuação pífia e confusa dos juízes, que pressionados pela torcida, invertiam faltas, ignoravam icings, entre outros erros primários, para o desespero de quem assistia o jogo.

Um desses erros influenciou no primeiro gol do Senators. Um puck colocado no círculo errado gerou a jogada que terminou no desvio do puck pelo patins de um tal de Zibanejad, antes de morrer no fundo do gol, fato ignorado pelas zebras de capacete. 2 a 1 Canadiens, a vantagem ainda era nossa.

Mas não resistimos a blitz final. Faltando ainda mais de um minuto para o fim do jogo, o goleiro do Sens foi para o banco, dando a situação de um jogador a mais para o time da casa. Nessa hora pesou a inexperiência do time e um erro do técnico do treinador Therrien, que manteve as linhas de menos qualidade no gelo, com os baleados e limitados Prust, Diaz e Gorges. Faltando 23 segundos para o fim da partida, o atacante Conacher empurrou um puck perdido no meio do bolo de gente pra dentro do gol. Fim de jogo, 2 a 2, vamos para o Overtime.

E para piorar de vez, o mito Carey Price saiu machucado e deu lugar para um frio Petr Budaj entrar numa quentíssima fogueira. Era tragédia anunciada. E não deu outra. No segundo chute de Ottawa, no segundo minuto de jogo, o Scotiabank Place explodiu em comemoração, para nossa tristeza.

E não vou aqui ficar chorando e colocando toda culpa pela nossa derrota nas costas do juízes que deveriam ter anulado o primeiro gol dos Senators. Não podemos usar esse fato como eclipse para tampar nossos problemas.

Foram 13 chutes contra 4 no último período, e 61 hits contra 45 no jogo, para o time da capital. Montréal mais uma vez não jogou nos últimos 20 minutos e apanhou  o jogo inteiro.

Um time que já não tem muito poder físico, ficou extremamente debilitado para os playoffs. Estamos sem o nosso maior zagueiro, Emelin, desde o final da temporada regular, sem Max Pacc e Eller para os playoffs, com Prust como enforcer e outros defensores que não colocam medo em ninguém como Diaz, White e cia. O único ali que serve pra bater nos outros é o mito Travis Moen, mas que não faz milagre sozinho, ele não é o Laraque.

Isso sem contar a moral do time. Nós sabemos o quanto é importante no esporte o time estar em grande fase psicológica, ainda mais na fase mata-mata. Pois é. Depois de sermos humilhados no domingo, tínhamos tudo para reverter esse quadro ontem. Mas não seguramos o resultado, tomamos o gol no último minuto, perdemos na OT e nosso goleiro ídolo machucado.

Voltamos para Montréal sem nosso capitão, Gionta, sem nosso goleiro, Price, sem atacantes e defensores importantes, com 3 a 1 na série e o psicológico no lixo. Haja torcida no Centre Bell!

Enfim, eu poderia discorrer mais sobre os problemas aqui, mas vou aguardar desligarem o nosso tubo para falar sobre isso, afinal estamos em estado vegetativo praticamente. Vai ser muito difícil sairmos dessa UTI.